O estranho mundo em que vivemos mas especialmente, o estranho que me sinto e o monstro em que me começo a tornar...É Horrível.

quarta-feira, fevereiro 10, 2016

Carnaval - e...

E passou o carnaval. E o Sporting passou para segundo. E esteve sempre a chover. E este ano não me mascarei. E finalmente voltámos a ter tolerância. E consegui ficar em casa sozinho durante 3 horas e aproveitei para “dormir” um bocado. E apenas passei pelas brasas. E não tarda chega a páscoa. E ainda não comprei prendas de Natal. E faltam 3 dias para o fim de semana. E ainda não ganhei o euromilhões. E não vi o Carnaval no Rio de Janeiro porque tive medo que o mosquito saltasse da televisão. E só me apetece dormir. E desde que comecei a escrever este blog em 2005 ou 2006 continuo a ter muito sono. E tinham-me dito que isto ia melhorando com a idade. E até agora não melhorou. E vou ficar por aqui.

segunda-feira, fevereiro 08, 2016

Preciso mesmo de ganhar o euromilhões. Mas tem de ser os 15 milhões todos para mim. Eu depois até dividia o dinheiro. Dividia por mim, pelo Tiago Magalhães e pela pessoa que está a escrever neste momento este fantástico texto. Por isso, de ser invejoso ninguém me pode acusar. Comprava logo um camarote no estádio do Sporting só para armar um bocadinho uma vez que eu, para ver os jogos, prefiro estar no meio da multidão para conseguir incendiar os que me rodeiam. Aquilo seria mais para os arrogantes dos meus amigos. Ou para quem quisesse pagar-me e bem. Apesar de eu não precisar de dinheiro. Eu até acho que vou ganhar um grande prémio antes de fazer os 40 anos. Por acaso tenho mesmo isso na cabeça. Ainda serei o homem mais rico deste local de trabalho sem nunca ter feito nada para o merecer. Eu sei que isto vai mesmo acontecer. Não sei se sou bruxo ou adivinho mas não se admirem se daqui a 3 anos eu coloque aqui um texto a comunicar que estou muito rico e que ainda fiquei mais arrogante do que era antes. Tanto que, provavelmente, não serei eu a escrever mas sim alguém a quem eu pague para escrever. E vou deixar de falar, passo é a cantar tudo para as pessoas perceberem bem até que ponto estou num nível muito superior. Depois obrigo as pessoas a consultarem o meu blog e a dizerem que é uma maravilha. Mais cedo ou mais tarde acabo por contratar duas ou três pessoas para me estarem sempre a bajular e a exigirem que eu escreva um livro uma vez que sou tão bom. Mas não escrevo, peço a alguém para o fazer. Eu falo alto e essa pessoa depois passa para o computador. E o livro irá vender milhões de cópias só porque sou rico. No ano do lançamento do livro, entrarei diretamente para a lista dos mais ricos do mundo da revista forbes.

 

E ainda dizem que sonho alto e estou sempre à espera que tudo me venha cair no colo.

Coisas novas 3

Outra grande mudança na minha vida durante esse tempo todo que tive ausente: fui pai outra vez. Agora de uma menina. E tal como do primeiro, faço questão de nunca revelar o nome da pequenita tal como nunca o fiz do Martim Tiago. Por isso se querem que vos diga que a menina se chama Joana Francisca, podem tirar o cavalinho da chuva. Sou muito forte nas minhas convicções, acho eu. Aliás, tenho quase a certeza disso. Dois filhos, pouco tempo para dormir e muitas muitas perguntas. O mais velho faz umas 1000 perguntas por dia, das quais 80 % são parecidas com:
Papá, tu és mais alto do que eu?
Papá, tens mais força do que eu?
Ao fim de umas centenas destas perguntas é normal começar a ceder e a ficar bruto. Claro que me arrisco a: Papá, estás a ficar bruto?
A pequenita é diferente, tem um feitio impossível (o da mãe) e não deixa o irmão fazer nada (a não ser que também lhe convenha a ela). Farta-se de gritar, de dizer não e farta-me a paciência. Depois tem uma coisa igual ao irmão, é muito melada. Depois de me infernizar a vida com qualquer insignificância, encosta-se e está sempre aos beijos. E isso, isso é pior que me podem fazer quando eu estou saturado. Prefiro que me deixem em paz, sozinho. Acho eu que prefiro porque, na verdade nunca consegui fazer tal coisa. A casa é pequena…
Resumindo: é muito divertido ter filhos.

Coisas novas 2

Uma das razões que eu usava para justificar a minha ausência do “blog” era a existência do Facebook e do Twitter. Desde essa altura já acabei com o facebook e do twitter só mais leitor do que “publicador”. O primeiro roubava-me muito tempo e eu, verdadeiramente, não dava uma importância especial a tudo aquilo. Depois detestava as publicações de crianças doentes e animais a morrerem abandonados. Outra coisa ainda era o fato de me entusiasmar quando o tema era futebol. Com a rivalidade Sporting benfica eu tinha discussões com uns primos da minha mulher em que só não andávamos à porrada porque estava cada um em sua casa. Quando nos encontrávamos pessoalmente era como se nada tivesse acontecido. Mas online, erámos piores que mafiosos. Primeiro cortei-os de amigos e depois cansei-me e cortei com aquela porcaria toda. Sinceramente, pensei que mais dia menos dia voltasse a utilizar o programa mas a verdade é que nem saudades daquela porcaria tenho. Não me faz falta nenhuma. Ou melhor, minto, era bom para me lembrar dos aniversários dos amigos. Eu sei que no telemóvel podemos ter isso mas preciso de adicionar lá as datas e isso, para mim, é sempre para amanhã. O resultado disto tudo é que deixei de dar os parabéns a todas essas pessoas. Eu até desejava parabéns a pessoas de quem fugia na rua se as visse. Outra razão para também ter saído foi isso mesmo, o fato de eu ter lá pessoas que viam as minhas coisas quando eu nem gostava delas. Pessoas de quem eu fugia para outro passeio, só para nem ter de dizer bom dia ou boa tarde. Por isso comecei a cortar essas pessoas como amigas e quando dei conta tinha 30 ou 40 pessoas “amigas”. No universo facebook não só não é nada com ainda é ridículo.
Agora limito-me a ler o Twitter. A esse ainda acho uma certa piada. Escrevemos pouco porque estamos limitados e não precisamos de estar ali a levar com doenças e abandonos. Um seca portanto.

Coisas novas 1


Uma nova troca de trabalho. Mais uma vez a começar do zero e a ter de me adaptar a “coisas”, a pessoas e a sítios. Não é nada fácil. Mas é sempre bom quando nos livramos de algo onde não gostam de nós. Falo de chefias. Pior, estar em algum lado onde nos vejam como obstáculo a outros, é do pior que pode acontecer. Tenho a noção que os colegas, no fundo aqueles com os quais precisamos de nos dar bem, gostavam de mim. Do meu lado igual sentimento, o que me tem custado mais a esquecer, o que tem deixado saudades são eles e não o trabalho em si nem mesmo as chefias. O não ser reconhecido profissionalmente é muito mau. Tenho a consciência que sou muito melhor do que aquilo que me deixaram mostrar. Mas a situação não era fácil, era como se pedissem a um médico que desempenhasse funções de enfermeiro e esperassem que ele andasse motivado. Era esperar que ele revolucionasse todo o processo de enfermagem onde estava inserido de forma a que reconhecessem capacidades extraordinárias e, após isso, o fizessem regressar ao antigo posto, à sua categoria profissional. Penso que não tem muita lógica. Se alguém quer motivar alguém não o faz diminuindo a pessoa de posto ou rebaixando-a. É na sua área e na sua categoria profissional que a pessoa tem de estar motivada. Estando numa outra situação, muito já faz se cumprir os mínimos que lhe são pedidos. Motivação é zero e as pessoas precisam de ter noção disso. Não podemos pedir a um padeiro que faça pão e tirar-lhe a farinha. Vai fazer algum pão de jeito? Claro que não. No meu caso ainda era pior porque estavam a pedir a um Mecânico que fizesse pão sem farinha e sem a promessa que um dia voltasse a trabalhar com carros. E é assim que está a minha vida profissional, mais uma vez em mudança. E cá estou eu para me adaptar outra vez a tudo. E a novas pessoas também. Mas com o tempo tudo lá vai. E irá.

terça-feira, agosto 05, 2014

Voltei voltei

Viva caros leitores (ah ah ah),

Claro que ninguém lê isto. Não interessa. Reli alguns textos antigos e reparei que num deles fazia referência ao fato de ter chegado, em certa altura, aos 81 kg. Na continuação dizia que tive de fazer desporto para emagrecer e que estava nos 73 kg. Bons tempos. Boa saúde. Agora estou com 82 e venho dos 89...Maravilha. O SUMO também é desporto. Adoro comer pão.

Mas claro, agora estou de dieta. Como iogurtes e tudo. Chegar ao 73 kg só se cortar um braço ou se me pesar só com uma perna. É tão fixe engordar e fácil. Continuo a dormir é pouco o que me não me permite ficar com corpo atlético. Isso e o fato de não fazer qualquer tipo de exercício além de andar com  a pequenita ao colo e a correr atrás do mais velho a partir a porcelana lá em casa. Ah, também uso muito o comando da televisão e, por isso, estou com umas mãos gigantescas. Se houvesse competição para as maiores mãos, eu não entrava porque sou muito envergonhado e, à partida, obrigaria a cortar as unhas. Fico com arrepios quando corto as unhas. Mas corto.

Não quero mais. Adoro comer pão.

Tiago.

P.S.- Agora só lá para 2015 temos outro texto. E bom, como este.

quinta-feira, agosto 08, 2013

Sim, passado este pouco tempo, voltei. Não tinha morrido. Mas podia. Nunca se sabe. Agora com Facebooks e Twitters e outras e outras, uma vez deixou morrer o blog. No meu caso, não deixei morrer porque isso já tinha acontecido. Lentamente e ainda assim, esta porcaria chegou às mais de 8000 visualizações. Pior do que isso são os que voltam. Porquê? Não sei. Sei sim, ficam encantados com a forma como escrevo magicamente sobre nada e continuo eternamente a fazer o mesmo. Já tenho dois filhos e acho que fico por aqui. Sai caro. Mas sim, é maravilhoso. Se tivesse muito dinheiro, queria três. A mais recente tem vinte dias e é linda como o pai e começa a revelar o feitio da mãe. Tal como o primeiro. Eu sei o que estão a pensar, porque razão não podiam sair em tudo ao pai? Nem eu vos consigo dar a resposta, apesar de ser quase perfeito. Adoro ser perfeito. Tenho dormido muito pouco porque a menina Joana tem a mania que o dia é noite e a noite dia. Mesmo a dormir está sempre a fazer um barulhos estranhos que revelam a sua falta de vontade em dormir. E isso incomoda. Muito. Mais para quem de se levantar todos os dias para ir à seca do trabalho que me espera. Que miséria. Ando aqui com uns olhos que nem uma coruja. E não, não é por ver bem, é mesmo pelas olheiras. Depois aqui (no trabalho) aturo cada tolinho/atrasado que me fazem ter cabelos ainda mais brancos. Tenho 1 pelo Martim, 1 pela Joana, 2 pela Catarina e o resto é tudo do trabalho. E olhem que já tenho mais de 50. Para aí uns 53, contados a dia 7 de Agosto. A última vez que escrevi ainda só tinha 4. Bem, acho que já chega para este regresso ao fim de mais de 3 anos. Obrigado e contenham-se nos comentário porque podem entupir a caixa e deitam os servidores abaixo.

quarta-feira, maio 12, 2010

Cromos


Ando a fazer a colecção de cromos da panini do mundial de futebol da África do sul. São seiscentos e tais cromos e ainda não tenho quase nada. Sim, tenho 30 anos e tenho cromos. Aquilo é engraçado e caro. Sessenta cêntimos por uma carteira de cinco cromos. E o pior é que a partir de uma certa altura vão começar a aparecer muitos repetidos. E depois não há dinheiro de volta. Agora estou mortinho por ir comprar mais. Vou ter de colar 23 cromos daqui a nada mas quero ver se ainda levo mais uns 20 e já estou a contar com 5 repetidos. Só com o dia de hoje vou mais do que dobrar os cromos que tinha. E sim, eu sei que sou um cromo. Já sabia há muito tempo. Mas que vou continuar a fazer a colecção, isso vou de certeza. Quando o meu filho crescer quero que ele conheça jogadores do tempo do pai. Que boa desculpa, não é?

Casa de Banho


Quando eu vou à casa de banho, espero sempre estar lá sozinho. E estou a falar em locais públicos, tipo o trabalho. Se à coisa que não desejo é estar a partilhar essas coisas com mais alguém. Nem que esteja numa casa de banho lateral, evidentemente que não falo na mesma retrete. Agora aquele partilhar de sons que fazemos, isso não me agrada nada de nada. Sinceramente quero ir a uma casa de banho em paz. Não me estar para ali a controlar, isso é que é uma boa ideia. E eu tinha tudo isso. Tinha duas casas de banho quase exclusivamente para mim. Estava no paraíso das necessidades fisiológicas. Agora acho que estou no inferno. Hoje estive durante 15 minutos fechado na “minha” casa de banho porque a outra ficou ocupada. E depois entraram logo a matar, logo uma data de barulhos. E eu tive de me controlar, fiquei atrapalhado e não consegui fazer nada. Nem respirar eu queria. E depois ele demorou muito e veio o cheiro e depois fazia uns barulhos estranhos e depois quando acabou ainda veio tentar abrir a minha porta e depois voltou para a casa de banho do lado e fechou-se lá outra vez. E depois e depois. O que será que ele vinha fazer à outra casa de banho? E porque voltou para a outra? Não era para lavar as mãos, isso de certeza. A dele também tinha lavatório e estava tudo a funcionar normalmente. Isto porque depois eu ouvi a água a correr. Mas acho que ele nem as mãos lavou. O porco. Ainda por cima quando saí o cheiro que lá ficou não era o meu. Mas a fama ficou. Quero uma casa de banho só para mim. Obrigado.

Tempinho

Andamos aqui com um tempinho que nem sei. Isto nem faz sol, nem faz chuva nem faz nada. E continuamos sem uma definição. Sempre na mesma. E eu continuo sem saber o que vestir de manhã. Essa é que é essa. E este texto é revelador da minha dúvida do que vestir e também da minha falta de assunto para aqui escrever. Estive também a pensar trocar de blog uma vez que tenho vindo aqui tão poucas vezes que, se trocar se blog, poderei ter mais motivação. Mas vou querer recuperar tudo o que escrevi neste. Adorei enquanto tive motivação para isso. Agora qual será o nome a definir para o blog? Tem de ser algo poderoso, algo que me permita vir cá sempre e ter sempre motivação. E depois que nunca ninguém se esqueça deste blog, nem depois da minha morte. Que venha tarde. Não gosto de morrer. Já tive conhecimento de outras mortes e não me pareceu nada divertido, nada mesmo. Por isso, quero adiar ao máximo a vinda dela. E se bater à porta, vou fugir pela janela. Se eu soubesse que depois de morrer podia andar por ai a observar tudo, eu nem me importava de morrer. Mas tinha mesmo de ser assim.

Ausência


Tenho tido uma ausência muito prolongada. Muito mesmo. Várias coisas levam a isso. Não me vou debruçar sobre nenhuma. É a vida que é assim. Não preciso de me justificar, nunca. Mas uma das razões é o facto de ter um filho e ele não me deixar estar sentado mais de 3 minutos. Outra é a falta de vontade de escrever. E outra é nunca me lembrar de cá vir. Agora justificar-me, isso não faço. Vos garanto. Sim, a todos os que nunca irão ler este texto. Não posso perder tempo com estas palhaçadas de blogs e tretas afins. Posso posso, estou a brincar. Desde claro, que o meu filho deixe. Para isso, tem de estar a dormir. E profundamente. Isto de dormir tem muito que se lhe diga pois é coisa que eu não tenho feito muito, ultimamente. Podia ser pior? Podia e era a mesma coisa.

quarta-feira, fevereiro 03, 2010

Estou vivo...

Sim, estou vivo. Ainda pensei deixar passar o ano inteiro sem escrever nada para aqui. Mas voltei a pensar.
Portanto, duas coisas: Estou vivo e penso. Já não é mau. Entretanto também fui pai o que posso dizer que é uma coisa boa. Tão boa como era dormir...Ai, quando eu dormia. Era muito bom. E ainda é.
Não posso dizer o nome da criança porque decidimos chamá-lo Martim Tiago e, não quero que se saiba. Gosto de guardar segredos e penso que a melhor maneira de o fazer é contar tudo a todos. Que maravilha que é, que alegria. Que interessa ter um segredo se não o podemos contar a ninguém? Quero lá saber que vai contra o próprio significado da palavra. Contemos as coisas todas a toda a gente. Eu adoro saber coisas dos outros. Coscuvilheiro? Sim, assumido.
Veremos se volto a demorar mais meio ano a escrever. Obrigado.

segunda-feira, julho 13, 2009

O Porco

Anotem este dia, 18 de Julho de 2009. Ficará para a história com um dos dias mais marcantes de toda a humanidade. Esqueçam as viagens à Lua, esqueçam o fim da escravatura, esqueçam a queda do muro de Berlim, esqueçam tudo o que foi importante desde o início do mundo. No dia 18 é que se fará história. Já viram um porco andar de bicicleta? , pois bem agora vão ver um a casar-se. Só que este é mais porco do que os porcos que andam na lama e comem bolotas. Este porco cheira pior e tem um pouco menos de cérebro do que o comum animal. Só partilha o nome, mais nada. Como novidade surge o facto de não se ir casar mesmo com uma porca porcalhona. Vai casar-se sim com alguém que pensa que Alemanha é uma marca de chouriço. Alguém de gosta da coisa mole, do falar alto e claro, do cheiro a merda. Nesse dia a “festa” vai ser num charco de merda e lama, com convidados despidos a rigor e prontos para a ementa de bolotas e milho. A maior parte das prendas vai ser fiambre e mais bolotas. O bouquet da noiva vai ser um monte de merda, para alegria de todos. O habitual sim vai ser substituído pelo conhecido “oinc oinc” e tem sido treinado com muito afinco. Para o noivo foi facílimo, é assim que fala ou, melhor dizendo, ronca. Ambos já se encontram muito nervosos tal como, pecando pela comparação, os porcos estão no matadouro à espera da morte. O porco que vai ser servido na mesa principal vai ser escolhido à sorte dentro dos convidados sendo que, o mais porco, terá a desculpa de ser o noivo não podendo, fazer parte da ementa. Os porc… convidados viajaram de todos os cantos do país destacando-se o porco preto do Alentejo. Todos os que tomaram banho nos últimos dois meses estão, automaticamente, excluídos do casamento. Os convidados podem, desde que avisem com antecedência, levar presunto como prenda. Contudo, são todos avisados à entrada para não terem relações sexuais à frente de toda a gente uma vez que podem afectar psicologicamente o porco principal (noivo) e deixá-lo com ciúmes de sexo que dure mais de 14 segundos. Mais, ninguém poderá apresentar o órgão sexual excitado, uma vez que o noivo desconhece a existência de tal coisa. Para ele, esse cão de merda, Orgasmo é a capital da Lituânia. Muitas porcas lutaram por este porco desconhecendo-se, para já, as razões para que tal acontecesse. Estudo científicos vão ser feitos para tentar perceber a mente destas pessoas e o que as levou a serem enganadas durante esse tempo. Talvez nem todos os estudos do mundo consigam chegar a alguma conclusão. É daquelas coisas inexplicáveis. Que cheiro a merda só de falar nele.